Gigi em Varsóvia

(Dezembro de 2016)

Dando continuidade à nossa viagem a Budapeste, no friozinho mais que gostoso do dezembro europeu, arrumamos nossas (muitas) malas e voamos para Varsóvia, na Polônia. Lá ficamos por mais 4 dias congelados e superdivertidos, quando a pequena Gigi pôde ver e brincar na neve pela primeira vez!

aaa

Fazia algum tempo que uma amiga tinha feito uma viagem à Varsóvia e quando estava lá nos mandou uma foto da Praça do Mercado, com casinhas coloridas e um senhor vendendo balões a gás…  Pois essa foto era tão linda, que decidimos que na primeira oportunidade a Polônia faria parte de nossos destinos. E assim o foi!

Após uma esperadinha básica no aeroporto de Budapeste, nada de finger. Malas na mão do papai, Gigi no canguru com a mamãe (e no casaco também, porque fazia muitooooo frio) e fomos de embarque remoto e avião turboélice! Para quem tem medo é uma maravilha…. Mas esse não é um problema por aqui!

 

Apesar da aeronave, o voo foi super tranqüilo… Gigi chegou dormindo, mas logo acordou para “ajudar” com as malas!

Desembarcando em Varsóvia, encontramos o motorista que havíamos contratado para fazer o transfer para o hotel e lá fomos nós!

O hotel que escolhemos nessa cidade foi o Bristol – a Luxury Collection Hotel, onde tivemos outra grata surpresa. Era super bem localizado e as instalações maravilhosas!

Sempre pesquisamos muito antes de reservar um hotel para nossas viagens. Além da localização, que deve ser estratégica, em função da dificuldade de se utilizar transportes com carrinho de bebê, também procuramos por hotéis que nos ofereçam quartos mais espaçosos, tenham banheira e serviço de quarto. Isso facilita muito o dia a dia com a criança….

Como estávamos chegando de uma viagem dentro da própria Europa, com poucas horas de voo, após nos instalarmos em nosso quarto decidimos dar uma voltinha.

A idéia era irmos a um shopping, já que estava ficando de noite, estávamos com fome e a Gigi doida por encontrar uma loja de brinquedos.

Aí veio a brilhante ideia da mamãe. #SÓQUENÃO. “Vamos contratar o motorista que nos trouxe do aeroporto para nos levar a um shopping maior, mais distante do centro!” Até hoje me pergunto o porquê…

Pois lá fomos nós. Para começar um super trânsito de mais de uma hora, sem nem ter como voltar…. ARREPENDIMENTO.

O shopping foi o Złote Tarasy. Muito bacaninha, mas certamente não valeu o stress.

Demos uma volta, levamos a pequena na loja de brinquedos e jantamos. Pizzazinha muito boa, mas nem mesmo o nome do restaurante nos lembramos de anotar….

Estávamos tão cansados que decidimos voltar logo para o hotel, mas acreditem: foi impossível conseguir um taxi para nos levar! Não havia na rua, nem havia ponto de taxi próximo ao shopping e também não adiantou nada pedir para que o serviço de informações do shopping chamasse um para nós.

Por sorte o marido havia combinado com o motorista que havia nos trazido de nos buscar no mesmo local que tinha nos deixado algumas horas depois… Mas isso ainda demoraria cerca de uma hora.

Bem, não tinha o que fazer. Demos mais uma voltinha enquanto aguardávamos e começamos a rezar para que o motorista de fato viesse nos buscar. Foram momentos de tensão, mas no fim deu tudo certo. E como tudo na vida tem um aprendizado, o desse dia foi de não inventar mais de ir em lugares longe, de acesso difícil e principalmente em horário de rush!

Mas agora vamos falar da parte boa!

Dia seguinte, frio muito louco (mas que adoramos), pedimos nosso café da manhã no quarto do hotel para depois podermos sair.

Essa é outra dica bem bacana, que levamos algumas viagens para nos darmos conta do quanto seria positivo para a Gigi, mas desde que “descobrimos” sempre adotamos: café da manhã no quarto! Assim, enquanto a pequena dorme mais um pouquinho nós comemos tranquilamente. Isso evita que ela já tenha que começar o dia sentada em um restaurante… coisa que não é muito fã.

Depois de alimentados,   -4ºC em Varsóvia e lá fomos nós!

Roupinha térmica, casaco, cachecol, gorros, luvas, cobertor, carrinho com capa térmica, capa plástica protetora, bolsa térmica com leite, água quente, comidinhas e bolsa de bebê com roupinhas extras…

Saímos do hotel já com nosso roteirinho básico do dia na cabeça e como estávamos super bem localizados, literalmente ao lado do nosso hotel já encontramos o Palácio Presidencial, onde foi assinado o famoso Pacto de Varsóvia.

Esse é o maior palácio da capital, cuja construção foi iniciada em 1643 e, desde então, já foi utilizado para diversos fins. O palácio resistiu intacto ao Levante de Varsóvia e, em 1994, foi transformado na residência oficial do Presidente da República.

Saindo de lá, rumo à Praça do Mercado, fomos descobrindo uma cidade incrível! Tranquila, com um povo educado e receptivo, além de toda enfeitada para as festas de final de ano.

E por falar em cidade preparada para as festas de final de ano, olhem só que estrutura bacana para as crianças, armada no Centro Histórico! Obviamente, assim que viu Gigi quis descer do carrinho e brincar…  Tinha trenzinho, esculturas gigantes de bichinhos, trono do Papai Noel… uma graça!

Próximo a essa atração, também havia uma feirinha de artesanato local muito bacaninha, onde valeu a pena a visita. Lá aproveitamos para comprar cachecóis beeemmm quentinhos, dignos de um inverno rigoroso e que usamos bastante no restante da viagem!

De lá chegamos à tão esperada Praça do Mercado, aquela da foto da nossa amiga. E como esperávamos, lá estava o senhorzinho vendendo os balões à gás hélio! Pensem numa cena linda…

Nessa Praça está localizada a coluna de Zygmunt, de 1644, homenagem ao Rei Zygmunt III Wazao, além do Castelo Real e da Igreja de Santa Ana. Além disso, é uma área cheia de restaurantes e lojinhas, onde em algumas épocas do ano é possível fazer até passeio de charrete. Mas no final do ano o ponto alto é uma Feira de Natal, que acontece nas muralhas de Barbacan.

E como as Feiras de Natal são tudo de bom, lá fomos nós tomar nosso vinhozinho quente!

As ruelas de Varsóvia são super agradáveis de se caminhar e em cada esquina fomos descobrindo algo lindo que valia ser registrado.

Andando pelas ruelas da cidade velha, logo encontramos a Praça do Sino, que fica atrás da Igreja de São João Batista. A crença popular diz que dar três voltas ao redor dele nos permite ter um desejo realizado…. e obviamente fizemos isso!

Depois de caminhar bastante nesse centrinho, paramos para almoçar em um restaurante italiano muito bacana na Praça do Mercado, o La Doce Vita. Tá certo que é um restaurante super turístico, mas esse vale a pena! O atendimento e a comida são muito bons!

E como geralmente fazemos nos restaurantes, botamos a Gigi na cadeirinha com alguns brinquedinhos e pedimos algo que ela tope comer. Depois de alimentada, levamos pra fazer xixi, mesmo que ela diga que não quer. Aí ela geralmente pede para voltar pro carrinho pra assistir filme no Ipad e nesse meio tempo pedimos nosso prato. Assim, enquanto ela se distrai nós comemos tranquilamente.

Saímos do restaurante por volta das 15h e já estava anoitecendo na cidade.

Durante o inverno, amanhece tarde e anoitece super cedo na Europa, o que acaba fazendo com que voltemos cedo para o hotel, mas nesse dia estávamos tão animados que decidimos continuar o passeio.

Seguimos rumo à Cidade Nova, onde encontramos outra Feira de Natal com pista de patinação no gelo. A-D-O-R-O! E de lá voltamos rodeando as Muralhas de Barbacan.

Bem, a verdade é que voltando ao nosso hotel encontramos uma cidade ainda mais linda! Toda iluminada…

Nessa viagem, optamos por fechar na maioria dos hotéis o regime de meia pensão, com café da manhã e jantar. Achamos que facilitaria a vida com a Gigi, mas de fato não valeu a pena. Acabávamos almoçando tarde e de noite nem estávamos com fome… mas jantávamos porque já estava contratado.

Na noite que chegamos, inclusive, por conta da pizza no famoso shopping, acabamos deixando o jantar do hotel de lado, mas nos outros dias fizemos jus ao que pagamos. Pensem numa comidinha com aparência estranha mas gostosa…. A parte boa é que podíamos jantar no restaurante ou pedir em nosso quarto.

Iniciamos nosso 2o dia indo ao Túmulo do Soldado Desconhecido, que também ficava bem pertinho do nosso hotel.

Esse monumento fica no que resta do Palácio Saxão, que no passado abrigou o Ministério da Guerra Polonês. O monumento é dedicado a todos os soldados que morreram anonimamente lutando por sua pátria na Primeira Guerra Mundial e na Guerra Soviético-Polonesa.

Perto do túmulo há urnas com a terra de vários campos de batalha e uma “chama eterna” arde no local. Há também sempre guardas de honra de vigia.

Saindo de lá, fomos rumo à Cidade Nova mais uma vez, já que no dia anterior só tínhamos andado por lá de noite. Na verdade, de nova mesmo a cidade só tem o nome, já que é do séc XIV…

Lá pudemos sentir os primeiros sinais da neve que estava por vir, além de colocar cadeados com nossos nomes e fazer pedidos!

Para voltar, seguimos novamente as Muralhas de Barbacan, mas como dessa vez estava de dia, pudemos observar melhor como era lindo aquele lugar!

Percebemos inclusive o Memorial do Pequeno Insurgente, por onde havíamos passado na noite anterior mas nem nos demos conta…

Essa estátua de uma criança vestida com roupas militares e segurando um fuzil representa todas as crianças e adolescentes que lutaram no Levante de Varsóvia, em 1944.

Já chegando ao fim da Muralha, nos aproximando da Praça do Mercado, encontramos novamente a Feira de Natal de Barbacan, mas dessa vez não paramos. Seguimos para o mesmo restaurante onde havíamos almoçado no dia anterior, o La Dolce Vita.

Como era noite de Réveillon e nós amamos essa data, decidimos voltar pro hotel para nos preparar para a “hora da virada”. Mas antes paramos pra comprar algumas coisinhas pra complementar nossa ceia, que seria no quarto!

No dia seguinte nosso roteiro foi para o lado oposto ao centro histórico, com uma primeira paradinha na Igreja São José do Patrocínio, onde nada menos que Chopin costumava tocar órgão…

Em frente à Igreja, além de em outros locais espalhados pela cidade, há bancos interativos que tocam suas músicas quando acionamos os botões. São muito legais e ouvir aquela músicas com aquela cidade linda ao fundo é super emocionante… Gigi amou!!!!!

Do outro lado da rua aproveitamos para visitar a Igreja de Santa Cruz, onde está o coração de Chopin, e de lá, caminhamos até o Palácio da Cultura, que era nossa meta do dia. Esse Palácio é o Edifício mais alto da Polônia, com 232m e foi um presente da URSS ao país.

Na verdade é uma construção bem polêmica, por destoar bastante do estilo da cidade. A população local, inclusive, não decidiu até hoje se a ama ou odeia…

A noite o Palácio fica todo iluminado, chamando ainda mais atenção. Nós não chegamos a subir, pois a Gigi já estava ficando cansadinha, mas no 30º andar há um deck de observação, com estátuas de Stalin e Lenin.

IMG_6451IMG_6455

De volta ao hotel, teve paradinha no bar para um chopp e petiscos, mas logo subimos para a pequena brincar e pedimos nosso almoço/jantar no quarto.

Dia seguinte foi o tão esperado dia do floco de neve, à lá desenho animado do Daniel Tigre. Gigi ficou tão feliz que já quis sair do hotel caminhando pra pegar a neve. Coisinha mais linda!!!!

Colocamos nela tudo que era preciso pra ficar quentinha: gorro, cachecol, luvas, casaco, botas e a deixamos brincar à vontade na neve! Quando cansou, trocamos toda a roupinha que tinha molhado e ela foi se esquentar no carrinho, com coberta, capa térmica e capa plástica para proteger do ar frio.

Esse dia foi reservado para andarmos sem rumo pela cidade, revisitando vários lugares por onde já havíamos estado nos dias anteriores. Nosso único desejo era chegar até a Palmeira Imperial, uma palmeira de plástico de 15m feita por uma artista local.

Na verdade não achamos nada de mais…. mas como no caminho tudo era lindo, valeu a pena a caminhada!

IMG_6540

Já tomando o rumo de volta, paramos num shopping em frente ao Palácio da Cultura, onde encontramos outra loja de brinquedos bem legal para a Gigi e lá aproveitamos para lanchar!

Gigi, que já estava ficando bem enjoadinha da comida local, se deliciou com a carninha do hambúrguer e as fritas… Vamos combinar que de vez em quando não fazem mal a ninguém, né?!

Voltando para o hotel, já nos despedindo daquela cidade linda, ainda encontramos o bonequinho de neve que tínhamos feito no início do dia!

Agora era hora de fechar as malas para poder seguir viagem no dia seguinte…

Com um roteiro de 4 dias em Varsóvia, fizemos tudo com muita tranquilidade para que a Gigi pudesse aproveitar. Foram dias intensos, mas de muita diversão pra toda a família…  E de lá seguimos para Helsinque, que foi outro destino que também adoramos!

***
#Ficaadica:

– Se for possível e você gostar do frio, opte por ir a Varsóvia na época do Natal. A cidade fica toda enfeitada e cheia de atrações nas ruas para crianças.

– Não deixe de interagir com os bancos da cidade que tocam Chopin. São muito bacanas!

– Tem post com Informações úteis – Varsóvia.

– Tem post com dicas sobre aeroporto.

– Tem post com dicas sobre avião.

– Em viagens com crianças vale contratar transfer para fazer os deslocamentos aeroporto-hotel-aeroporto, indicando sempre o número de malas, de passageiros e a necessidade de cadeirinha de bebê.

 

Um comentário em “Gigi em Varsóvia

Deixe uma resposta